sexta-feira, 4 de junho de 2010

Um povo sem memória é um povo sem história



PONTO DE VISTA

Um povo sem memória é um povo sem história

Os povos do conhecido período da História não escrita (pré-história), registravam sua atividades através de  desenhos nas cavernas “chamadas pinturas rupestre”, nas aldeias mais antigas após a revolução agrícola, existiam pessoas especializadas em guardar a história “contadores de história” que transmitiam a culturas de seu povo através da tradição oral de geração em geração. A  tradição oral     embora importantíssima é como diz o dito popular:  “quem conta um conto aumenta um ponto” e muitas das histórias são perdidas ou tomam rumos diferentes. A invenção da escrita foi a maior revolução para conservação da história da humanidade, pois sabe-se que ninguém quer passar despercebido pois esta vida sem que deixe suas marcas registradas, pois registra-se a pessoa ao nascer “certidão de nascimento e ao morrer “certidão de óbito”, mas não para. Diante do desejo de se  perpetuar por suas realizações ou  pela utopia  constante da descoberta da fonte da juventude ou  até mesmo pela imortalidade da matéria.  E assim a histórias é recheada de grande feitos  como as sete maravilhas do mundo que ainda hoje encantam as gerações posteriores.
É preciso lembrar que:
Araioses  no passado conhecida por uma cidade pacata, embora seja , mas manchada com a barbárie   que vitimou  os dois jovens entregues a responsabilidade do Estado. Acontecimento   esse espalhado pelo mundo através  rede mundial de comunicação. No campo da administração tivemos  e temos prefeitos que fizeram e fazem do município  uma propriedade pertencente ao seu clã. E  o povo resta a política do “pão e circo” criado no Império Romano na antiguidade, reformada e  estruturada  pelas contratações ilegais “não que pessoas não mereçam o emprego, claro  pois são cidadão que exercerem seu trabalho com dignidade” mas como pana de fundo a má  intenção mascarada  de conquistá-lo a não exercer o seus  direitos de cidadãos, no tocante as eleições que ora se aproximam.
Agora pergunta-se: Será que a prefeitura de Araioses  vai realizar o concurso público oferecerá 1/3 dessas vagas para efetivação? Sabe-se que há compromisso firmado com o ministério do trabalho, “obrigação de fazer”.
E de dá pena a frota de carros do município! Onde estão? Resposta:  sucateados e abandonados na garagem “cemitério”, um  verdadeiro  desmanche.
É preciso lembrar e relembrar da humilhação que sofreu os funcionários públicos no meio do sol e chuva e o famoso paredão que está gravado na memória daqueles que sofreram a humilhação.
A saúde pública de Araioses, abandonada /inexistente uma verdadeira saga para aqueles que adoecem,  retroagimos a época  em que a saúde era cuidada através das crendices populares, e “curandeiros”  do chazinho da vovó não que não tenham validade, mas abrindo espaços para charlatões e enganadores com promessa de cura.
A  ausência dos que gerem esse município parece uma praga  “tocada pelo telefone” 02(dois) dias na cidade 28 de férias “ quem sabe remuneradas?” enquanto que os servidores ao  faltarem 01(um) por conta da falta de assistência a saúde são penalizados em seus salários.

 Profarnaldo
  04/06/10
Postar um comentário